Por que desbloquear seu iPhone com o Apple Watch é importante para acessibilidade

A Apple lançou na semana passada uma série de atualizações de software em sua infinidade de plataformas. A atualização principal é o iOS 14.5, há muito em desenvolvimento , que introduziu o aguardado recurso de privacidade App Tracking Transparency. Outro grande recurso do 14.5, especialmente adequado para o momento, é o suporte para Apple Watch Face Unlock. O recurso, que requer watchOS 7.4, permite o uso de ID Facial enquanto usa uma máscara.

A mídia e a Apple posicionaram corretamente o Desbloqueio facial como um recurso de conveniência – com o mundo usando máscaras todos os dias por mais de um ano, desbloquear o iPhone pode ser tediosamente irritante porque o ID facial não reconhece um rosto coberto, então uma senha é necessária todas as vezes para desbloquear o telefone. Como acontece com todos os softwares, entretanto, o Desbloqueio facial traz mais benefícios do que a simples conveniência: ele também é acessível.

Se o Face ID (ou, para dispositivos mais antigos, o Touch ID) não conseguir autenticar, a alternativa para desbloquear um iPhone é, obviamente, inserir uma senha. Dependendo do comprimento, pode ser cansativo verificar as credenciais. Por que isso é importante do ponto de vista da acessibilidade se resume a duas coisas trabalhando em conjunto: cognição e habilidades motoras finas. Para muitas pessoas com deficiência, pode ser difícil não só lembrar a senha, mas também digitarno sistema. Alguém com cognição atípica e atrasos motores finos, por exemplo, pode ter dificuldade em lembrar a senha (caracteres e sua ordem) e digitá-los fisicamente (tocando no teclado). Novamente, isso tem ramificações maiores do que a mera conveniência; o que é aparentemente uma tarefa mundana e inconveniente torna-se laboriosamente difícil. O resultado final é óbvio: muitas pessoas com deficiência enfrentam (repetidamente) um ponto de atrito que prejudica a experiência geral do usuário.

Embora pareça esotérico, esse não é um detalhe insignificante.

Entre no Apple Watch. Com a nova funcionalidade de desbloqueio facial, o iPhone se comunica com o Apple Watch (no pulso, desbloqueado) para verificar se a pessoa que está usando o relógio também possui o iPhone. Uma vez configurando, sempre que alguém olhar para o telefone e estiver usando o relógio, o telefone será desbloqueado. (O relógio confirma com um zumbido tátil.) Toda essa mágica tecnológica é feita enquanto se usa uma máscara – não há necessidade de puxá-la para baixo ou inserir uma senha. Com o Desbloqueio facial, a Apple eliminou um grande obstáculo para a acessibilidade, além de tornar o desbloqueio do telefone mais conveniente. Para a maioria das pessoas, inserir senhas é um dado adquirido – elas podem se lembrar e ter a destreza para inseri-las. Para outros, a solicitação do código de acesso é uma barreira que foi exacerbada pela demanda da pandemia de que todos nós nos mascarássemos.

Em um escopo amplo, o Desbloqueio facial serve como mais uma lição em que a acessibilidade afeta tudo de alguma forma. A Apple (e a imprensa) não está proclamando oficialmente o Face Unlock como um salvador nesse aspecto, o que não é surpreendente, mas seu impacto é importante. Da mesma forma que a Apple está capacitando os usuários a retomar o controle de seus dados com o rastreamento de aplicativos, a empresa está capacitando os usuários com deficiência a retomar o controle do desbloqueio de seus telefones de uma maneira acessível – e conveniente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.