Desmatamento na Amazônia brasileira bate novo recorde em janeiro

O Brasil registrou o pior desmatamento já registrado na floresta amazônica em janeiro, de acordo com novos dados do governo, e a devastação continua a piorar apesar das recentes promessas do governo de controlá-la.

O desmatamento na Amazônia brasileira totalizou 430 quilômetros quadrados (166 milhas quadradas) no mês passado, cinco vezes o nível de janeiro de 2021, de acordo com dados preliminares de satélite divulgados sexta-feira pela agência governamental de pesquisa espacial Inpe.

Este é o nível mais alto em janeiro desde que a série de dados atual começou em 2015. Os novos dados vêm quando pesquisadores ambientais vêm dizendo que os danos ainda crescentes se devem em grande parte ao líder de direita Bolsonaro, que enfraqueceu as proteções ambientais do país desde que assumiu o cargo em 2019.

Com pouco medo de punição, as florestas estão sendo desmatadas para fazendas de grilagem, disse Britaldo Suarez Filho, pesquisador de modelagem ambiental da Universidade Federal de Minas Gerais. Os altos preços da carne bovina, soja e outras commodities também aumentaram a demanda por terras baratas.

“As pessoas podem se surpreender que não tenha acrescentado mais”, disse Soares Filho.

 “Há uma corrida para limpar a floresta amazônica.”

Usar um único mês para comparação não dá a melhor imagem, disse o Ministério do Meio Ambiente, observando que o desmatamento de agosto a janeiro caiu ligeiramente em comparação com o mesmo período do ano passado. Em comunicado à Reuters, o ministério disse que o governo federal tomará medidas mais fortes contra o crime ambiental em 2022.

Há também preocupações de que a região amazônica da Colômbia enfrente uma ameaça semelhante. Grupos ambientalistas expressaram na terça-feira preocupação com o aumento acentuado dos incêndios florestais, que eles atribuem à extração de madeira para dar lugar a fazendas de gado, plantações de coca e estradas ilegais.

Mais de 150 acadêmicos e ativistas da Colômbia, Brasil, França e Espanha enviaram uma carta ao presidente colombiano Ivan Duque instando o governo a adotar uma postura mais agressiva contra o desmatamento, usar os militares para combater incêndios e criar opções econômicas para os colombianos. Amazônia e prender aqueles que financiaram a derrubada de florestas.

Como as árvores da Amazônia absorvem tanto gás de efeito estufa, proteger a maior floresta tropical do mundo é fundamental para conter as mudanças climáticas. Bolsonaro há muito defende mais agricultura comercial e mineração na Amazônia para ajudar a tirar a região da pobreza.

Enfrentando a pressão internacional dos Estados Unidos e da Europa, o Brasil se comprometeu no ano passado a acabar com o desmatamento ilegal até 2028.

Pouco depois de fazer essas promessas, o Inpe divulgou dados mostrando que o desmatamento na Amazônia brasileira atingiu uma alta de 15 anos em 2021. Dados preliminares de janeiro mostraram que os danos continuaram aumentando.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.