Apple tornou-se mais acessível ao concertar seu iPhone, agora com uma oficina próxima a você

A Apple está finalmente relaxando sua postura em relação aos reparos de terceiros, já que a empresa deve expandir seu programa de provedor de reparos independente globalmente.

O gigante da tecnologia anunciou na noite passada que este programa está se expandindo para mais 200 países. Em regiões como Austrália, Brasil, Índia, Rússia, Taiwan e Vietnã, o processo está começando na próxima semana, e o restante dos países seguirá no final do ano.

A empresa lançou originalmente o programa em 2019 para permitir que os clientes nos Estados Unidos tenham seus iPhones – especificamente peças básicas como baterias, alto-falantes e telas – reparados de fornecedores terceirizados autorizados. Mais tarde, a Apple incluiu Macs no programa e, no ano passado, a empresa o expandiu para a Europa e Canadá.

Quando um provedor de serviços terceirizado se junta ao programa, a Apple dá a eles manuais de reparo, diagnósticos, ferramentas e peças originais para certificá-los como Provedores de Serviços Autorizados da Apple (AASP). Não há custo para ingressar neste programa, e os prestadores de serviços precisam passar por um processo simples de treinamento e qualificação para se tornar um AASP elegível

Embora as peças possam custar o mesmo que você pagaria por elas nos centros de reparo oficiais da Apple, as lojas locais podem atrair clientes definindo preços de serviço mais baixos. Além disso, você não precisa viajar muito para procurar um centro oficial.

Tradicionalmente, a Apple tentou bloquear reparos de terceiros várias vezes. Em 2018, a empresa confirmou que seu chip T2 bloquearia alguns reparos em Macs. Em 2019, os iPhones começaram a exibir uma etiqueta de advertência caso você substituísse as baterias por meio de uma central de reparos não oficial. Nos últimos anos, a empresa fez lobby pesado contra a legislação de direito de reparo e lutou contra as ações judiciais associadas.

No entanto, autoridades em todo o mundo estão assumindo uma postura mais dura para exigir que os fabricantes tornem os aparelhos fáceis de consertar para que durem mais. No ano passado, a UE votou por novas regras de direito de conserto que incluem telefones e tablets. Em janeiro, a França introduziu um índice de reparos que força os fabricantes a incluir uma pontuação para indicar a facilidade de consertar um gadget. Você pode ver que alguns modelos de iPhone têm uma pontuação muito baixa.

A expansão do programa de reparos da Apple é um bom primeiro passo para permitir que os clientes da Apple consertem seus gadgets facilmente. Esperançosamente, a empresa incluirá mais componentes para evitar a necessidade de viagens aos centros de serviço oficiais.

Você sabia que temos um boletim informativo sobre tecnologia de consumo? É chamado de Plugged In – e você pode assiná-lo aqui mesmo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.